Nicola Sacco

Nicola Sacco

Nicola Sacco nasceu na cidade italiana de Torremaggiore em 22 de abril de 1891. Ele emigrou para os Estados Unidos quando tinha dezessete anos. Sacco encontrou trabalho em uma fábrica de calçados em Stoughton, Massachusetts. Ele se casou e começou uma família. Sacco também se envolveu na política de esquerda e em uma reunião anarquista conheceu Bartolomeo Vanzetti, um imigrante italiano que trabalhava como vendedor de peixes em Plymouth. Os dois homens tornaram-se amigos e freqüentemente compareciam às mesmas reuniões políticas.

Como muitos radicais de esquerda, Sacco e Vanzetti se opuseram à Primeira Guerra Mundial. Eles participaram de reuniões de protesto e em 1917, quando os Estados Unidos entraram na guerra, fugiram juntos para o México a fim de evitar serem recrutados para o Exército dos Estados Unidos. Quando a guerra acabou, os dois homens voltaram para os Estados Unidos.

Em 5 de maio de 1920, Sacco e Bartolomeo Vanzetti foram presos e entrevistados sobre os assassinatos de Frederick Parmenter e Alessandro Berardelli, em South Braintree. Os homens foram mortos carregando duas caixas com a folha de pagamento de uma fábrica de calçados. Depois que Parmenter e Berardelli foram mortos a tiros, os dois ladrões pegaram os $ 15.000 e entraram em um carro com vários outros homens e foram embora.

Várias testemunhas oculares afirmaram que os ladrões pareciam italianos. Um grande número de imigrantes italianos foi interrogado, mas finalmente as autoridades decidiram acusar Sacco e Bartolomeo Vanzetti pelos assassinatos. Embora os dois homens não tivessem antecedentes criminais, argumentou-se que eles haviam cometido o roubo para adquirir fundos para sua campanha política anarquista.

Fred H. Moore, um advogado socialista, concordou em defender os dois homens. Eugene Lyons, um jovem jornalista, fez pesquisas para Moore. Lyons recordou mais tarde: "Fred Moore, na época em que parti para a Itália, estava no comando de um caso obscuro em Boston envolvendo um peixeiro chamado Bartolomeo Vanzetti e um sapateiro chamado Nicola Sacco. Ele me deu instruções explícitas para despertar toda a Itália para a importância do caso de assassinato de Massachusetts e para caçar certas testemunhas e provas. O movimento operário italiano, no entanto, tinha outras coisas com que se preocupar. Um ex-socialista chamado Benito Mussolini e uma praga de gafanhotos de camisas negras, por exemplo. De alguma forma. Coloquei peças sobre Sacco e Vanzetti em Avanti!, que Mussolini editou uma vez, e em um ou dois outros artigos. Eu até consegui incitar alguns socialistas onorevoles, como o deputado Mucci, da aldeia natal de Sacco, na Puglia, e o deputado Misiano, um incendiário siciliano da extrema esquerda. Mucci trouxe o caso Sacco-Vanzetti para o plenário da Câmara dos Deputados, o primeiro jato de protesto estrangeiro no que viria a se tornar uma violenta inundação internacional. "

O julgamento começou em 21 de maio de 1921. A principal evidência contra os homens era que ambos estavam armados quando foram presos. Algumas pessoas que viram o crime ocorrendo identificaram Vanzetti e Sacco como os ladrões. Outros discordaram e os dois homens tinham bons álibis. Vanzetti estava vendendo peixe em Plymouth enquanto Sacco estava em Boston com sua esposa tirando uma fotografia. A promotoria deu muita importância ao fato de que todos os que foram chamados a fornecer provas para apoiar esses álibis eram imigrantes italianos.

Vanzetti e Sacco estavam em desvantagem por não terem um domínio completo da língua inglesa. Webster Thayer, o juiz foi claramente preconceituoso contra os anarquistas. No ano anterior, ele repreendeu um júri por absolver o anarquista Sergie Zuboff de violar o estatuto da anarquia criminal. Algumas das respostas que Vanzetti e Sacco deram no tribunal deixaram claro que tinham interpretado mal a questão. Durante o julgamento, a acusação enfatizou as crenças políticas radicais dos homens. Vanzetti e Sacco também foram acusados ​​de comportamento antipatriótico ao fugir para o México durante a Primeira Guerra Mundial.

Eugene Lyons argumentou em sua autobiografia, Tarefa na Utopia (1937): "Fred Moore era, no fundo, um artista. Instintivamente, ele reconheceu os materiais de uma questão mundial no que parecia para os outros uma questão rotineira ... Quando o caso se transformou em uma disputa histórica, esses homens ficaram totalmente perplexos. Mas Moore viu sua magnitude desde o início. Suas táticas jurídicas têm sido objeto de disputa e recriminação. Acho que há um certo tom de verdade, na verdade, na acusação de que ele às vezes subordinou as necessidades literais do procedimento legalista às necessidades maiores do caso como um símbolo da luta de classes. Se não o tivesse feito, Sacco e Vanzetti teriam morrido seis anos antes, sem o consolo do martírio. Com a deliberação de um compositor desenvolvendo os detalhes de uma sinfonia que ele sente em sua totalidade arredondada Moore passou a esclarecer e aprofundar os elementos implícitos no caso. E, em primeiro lugar, ele procurou delinear o caráter de classe dos preconceitos automáticos que operavam contra Sacco e Vanzetti. Às vezes, sobre os protes Por causa dos próprios homens, ele rompeu convenções legalistas para revelar os motivos subjacentes. Não é de admirar que o juiz tenso e dispéptico e os advogados mesquinhos passaram a odiar Moore com um ódio que era admiração virada do avesso. "

No tribunal Sacco afirmou: “Eu sei que a sentença será entre duas classes, a classe oprimida e a classe rica, e sempre haverá colisão entre uma e outra. Nós confraternizamos o povo com os livros, com a literatura. Vocês perseguem as pessoas, tiranizá-las e matá-las. Procuramos sempre a educação das pessoas. Você tenta colocar um caminho entre nós e alguma outra nacionalidade que se odeia. É por isso que estou aqui hoje neste banco, por ter sido da classe oprimida. Bem, você é o opressor. " O julgamento durou sete semanas e em 14 de julho de 1921, os dois homens foram considerados culpados de assassinato de primeiro grau e condenados à morte.

O Caso Sacco e Vanzetti recebeu muita publicidade. Muitos observadores acreditam que sua convicção resultou do preconceito contra eles como imigrantes italianos e porque tinham crenças políticas radicais. O caso resultou em manifestações anti-EUA em vários países europeus e em um deles em Paris, uma bomba explodiu matando vinte pessoas.

Em 1925, Celestino Madeiros, imigrante português, confessou ser membro da quadrilha que matou Frederico Parmenter e Alessandro Berardelli. Ele também nomeou os outros quatro homens, Joe, Fred, Pasquale e Mike Morelli, que haviam participado do roubo. Os irmãos Morelli eram criminosos conhecidos que haviam cometido roubos semelhantes na área de Massachusetts. No entanto, as autoridades recusaram-se a investigar a confissão feita por Madeiros.

Muitos escritores e artistas importantes, como John Dos Passos, Alice Hamilton, Paul Kellog, Jane Addams, Upton Sinclair, Dorothy Parker, Ben Shahn, Edna St. Vincent Millay, John Howard Lawson, Floyd Dell, George Bernard Shaw e HG Wells se envolveram em uma campanha para obter um novo julgamento. Embora Webster Thayer, o juiz original, tenha sido oficialmente criticado por sua conduta no julgamento, as autoridades se recusaram a anular a decisão de executar os homens.

Eugene Lyons era um visitante regular para ver Sacco na prisão: "Sacco era o latim em sua forma mais impetuosa, um homem de emoção em vez de lógica, levado literalmente à loucura em pelo menos duas ocasiões pela provação da prisão e da espera. A separação de sua bela esposa ruiva e seus dois filhos, de amigos e do trabalho, consumiram sua carne e abalaram sua razão. Uma semana de encarceramento para um homem como Sacco foi mais terrível do que um ano para o mais fleumático e contemplativo Vanzetti. Sacco foi um animal enjaulado e furioso; Vanzetti parecia um monge em reclusão serena. Sob os ferozes bigodes italianos que lhe davam uma aparência de ferocidade aos olhos do americano comum, o peixeiro do Piemonte tinha feições ascéticas e olhos de uma ternura que o assombrava. "

No verão de 1927, ficou claro que Sacco e Bartolomeo Vanzetti seriam executados. Vanzetti comentou com um jornalista: “Se não fosse por isso, eu poderia ter vivido minha vida falando nas esquinas para homens desprezíveis. Eu poderia ter morrido, sem marcação, desconhecido, um fracasso. Agora não somos um fracasso. Esta é a nossa carreira e o nosso triunfo. Nunca em toda a nossa vida poderemos ter esperança de fazer tal trabalho pela tolerância, justiça, pela compreensão do homem pelo homem, como agora fazemos por acidente. Nossas palavras - nossas vidas - nossas dores - nada! tirando nossas vidas - vidas de um bom sapateiro e de um pobre mascate de peixe - tudo! Esse último momento nos pertence - essa agonia é o nosso triunfo. Em 23 de agosto de 1927, o dia da execução, mais de 250.000 pessoas participaram de uma manifestação silenciosa Em Boston.

Logo após as execuções, Eugene Lyons publicou seu livro, A Vida e Morte de Sacco e Vanzetti (1927): "Não foi uma armação no sentido comum da palavra. Foi uma conspiração muito mais terrível: o estalar quase automático da máquina do governo soletrando a morte para dois homens com a maior serenidade. Não mais as leis foram ampliadas ou violadas do que na maioria dos outros casos criminais. Não se usaram mais pombos. Não se pregaram mais truques de acusação. Só neste caso todos os truques funcionaram com uma precisão mortal. O mecanismo rígido de procedimento legal estava no seu limite. . Os seres humanos que operavam o mecanismo eram guiados por motivos obscuros, vagos e profundamente arraigados de medo e interesse próprio. Era uma armação implícita na estrutura social. Era um exemplo perfeito do funcionamento da justiça de classe, em que cada juiz, jurado, policial, editor, governador e presidente da faculdade desempenhou seu papel designado facilmente e sem violência indevida à sua consciência. Alguns até o desempenharam com um senso exaltado de seu próprio patriotismo e nobreza. "

Cinquenta anos depois, em 23 de agosto de 1977, Michael Dukakis, o governador de Massachusetts, emitiu uma proclamação, efetivamente absolvendo os dois homens do crime. "Hoje é o Dia em Memória de Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti. A atmosfera de seu julgamento e recursos foram permeados por preconceito contra estrangeiros e hostilidade em relação a pontos de vista políticos heterodoxos. A conduta de muitos dos funcionários envolvidos no caso lançou sérias dúvidas sobre sua vontade e capacidade de conduzir a acusação e o julgamento de forma justa e imparcial. Simples decência e compaixão, bem como o respeito pela verdade e um compromisso duradouro com os ideais mais elevados de nossa nação, exigem que o destino de Sacco e Vanzetti seja considerado por todos os que prezam a tolerância, justiça e compreensão humana. "

Eu não sou orador. Não estou muito familiarizado com a língua inglesa, e como eu sei, como meu amigo me disse, meu camarada Vanzetti vai falar mais tempo, então pensei em dar uma chance a ele.

Nunca soube, nunca ouvi, nem sequer li na história algo tão cruel como este Tribunal. Depois de sete anos processando, eles ainda nos consideram culpados. E essas pessoas gentis aqui estão dispostas conosco neste tribunal hoje.

Eu sei que a frase será entre duas classes, a classe oprimida e a classe rica, e sempre haverá colisão entre uma e outra. Bem, você é o opressor.

Você sabe disso, juiz Thayer - você sabe durante toda a minha vida, sabe por que estou aqui, e depois de sete anos em que vem perseguindo a mim e à minha pobre esposa, e ainda hoje nos condena à morte. Eu gostaria de contar toda a minha vida, mas de que adianta? Você sabe tudo do que eu falo antes, ou seja, meu camarada, vai falar, porque ele está mais familiarizado com a língua, e vou dar uma chance a ele.

Você se esquece de toda essa população que está conosco há sete anos, para simpatizar e nos dar toda sua energia e toda sua gentileza. Você não se importa com eles. Entre esses povos e os camaradas e a classe trabalhadora existe uma grande legião de intelectuais que estão conosco há sete anos, para não cometer a sentença iníqua, mas ainda assim a Corte segue em frente. E quero agradecer a todos vocês, meus camaradas que estão comigo há sete anos, com o caso Sacco Vanzetti, e vou dar uma chance ao meu amigo.

Sacco é um trabalhador desde a infância, um trabalhador habilidoso amante do trabalho, com um bom emprego e remuneração, uma conta em banco, uma boa e adorável esposa, dois lindos filhos e uma casinha bem cuidada à beira de um bosque, perto de um riacho . Sacco é um coração, uma fé, um caráter, um homem; um homem amante da natureza e da humanidade. Um homem que deu tudo, que tudo sacrificou pela causa da Liberdade e por seu amor pela humanidade; dinheiro, descanso, ambições mundanas, sua própria esposa, seus filhos, ele mesmo e sua própria vida. Sacco nunca sonhou em roubar, nunca em assassinar. Ele e eu nunca trouxemos um pedaço de pão à boca, desde a nossa infância até hoje - que não tenha sido ganho com o suor de nossas testas. Nunca. Seu povo também está em boa posição e com boa reputação.

Oh, sim, posso ser mais espirituoso, como dizem alguns, sou um balbuciante melhor do que ele, mas muitas, muitas vezes ao ouvir sua voz sincera soando uma fé sublime, ao considerar seu sacrifício supremo, relembrando seu heroísmo. me senti pequeno na presença de sua grandeza e me vi compelido a lutar contra as lágrimas de meus olhos, e apagar meu coração, angustiando minha garganta para não chorar diante dele - este homem chamado ladrão e assassino e condenado. Mas o nome de Sacco viverá nos corações das pessoas e em sua gratidão quando os ossos de Katzmann e seus forem dispersos pelo tempo, quando seu nome, seu nome, suas leis, instituições e seu falso deus forem apenas uma espécie de lembrança de um maldito passado em que o homem era lobo para o homem.

Sacco era o latim em sua forma mais impetuosa, um homem de emoção em vez de lógica, levado literalmente à loucura em pelo menos duas ocasiões pela provação da prisão e da espera. Sob os ferozes bigodes italianos que lhe davam um ar de ferocidade aos olhos do americano comum, o peixeiro do Piemonte tinha feições ascéticas e olhos de uma ternura que o assombrava.

Hoje é o Dia em Memória de Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti. A simples decência e compaixão, bem como o respeito pela verdade e um compromisso duradouro com os ideais mais elevados de nossa nação, exigem que o destino de Sacco e Vanzetti seja ponderado por todos os que prezam a tolerância, a justiça e a compreensão humana.


O júri e # x2019s ainda estão fora


Visão geral do plano de aula: Nesta lição, os alunos examinam os julgamentos de Sacco e Vanzetti e as execuções subsequentes. Em seguida, eles analisam os dados históricos e materiais relacionados a respeito desse caso controverso.

Autor (es):
Michelle Sale, The New York Times Learning Network
Javaid Khan, The Bank Street College of Education na cidade de Nova York

Tempo sugerido: 1 hora

Objetivos.
Os alunos irão:
1. Especular e aprender sobre as execuções de Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti.
2. Pesquise a história do caso Sacco e Vanzetti e analise seu impacto explorando dados relevantes, questões atuais e um cartoon, canção ou poema político sobre o evento.
3. Considere o 80º aniversário das mortes de Sacco & # x2019s e Vanzetti & # x2019s lendo e discutindo o artigo & # x201CItaly & # x2019s American Baggage. & # X201D

Recursos / materiais:
-pens / lápis
- diários do aluno
- conselho da sala de aula
-acesso ou cópias do pôster de Ben Shahn & # x2019s, encontrado online em //www.assumption.edu/users/McClymer/his394/sacco%20and%20%20vanzetti/default.html
-acesso ou cópias de charges políticas publicadas sobre o caso (encontradas online em //teachpol.tcnj.edu/amer_pol_hist/thumbnail335.html), a música de Woody Guthrie de 1945, & # x201CTwo Men Gone & # x201D (letras encontradas online em / /www.woodyguthrie.org/Leviews/Two_Good_Men.htm), e Edna St. Vincent Millay & # x2019s poema & # x201CJustice Denied in Massachusetts & # x201D (encontrado online em //www.poemhunter.com/poem/justice-denied-in - Massachusetts /) (um trabalho por grupo)
-recursos sobre os julgamentos de Sacco e Vanzetti (livros de história americana, enciclopédias, computadores com acesso à Internet, etc.)
-copias do artigo & # x201CItaly & # x2019s American Baggage & # x201D encontradas online em //www.nytimes.com/learning/teachers/featured_articles/20070824friday.html (um por aluno)

Atividades / procedimentos:
1. AQUECIMENTO / FAÇA AGORA: Conforme os alunos entram na sala, direcione sua atenção para uma imagem projetada ou cópias do pôster de Ben Shahn & # x2019s, encontrados online em //www.assumption.edu/users/McClymer/his394/sacco % 20and% 20% 20vanzetti / default.html. Em seus diários, os alunos respondem à seguinte tarefa (escrita no quadro para facilitar o acesso do aluno): & # x201CExamine o pôster e responda às seguintes perguntas:
-A julgar pela foto, durante qual época histórica você acha que este pôster foi criado? Como você sabe?
-Em suas próprias palavras, o que diz o texto?
-Como você acha que os homens são retratados?
-Que palavras ou frases fornecem informações sobre o que este pôster está tentando transmitir?
-O que é significativo na escolha das palavras, ortografia e gramática usadas para compor este pôster? O que você pode inferir sobre o autor ou palestrante? & # X201D
Depois de alguns minutos, dê tempo aos alunos para compartilharem suas respostas. Pergunte à classe: & # x201Co que você acha que aconteceu com esses dois homens? O que o leva a essa conclusão? & # X201D
Explique à classe que em 23 de agosto de 1927, dois imigrantes italianos, Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti, foram executados injustamente. O caso deles foi um evento legal que assumiu proporções de celebridade durante a década de 1920 & # x2019. Frederick Lewis Allen em seu clássico relato da década, Only Yesterday (1931) (//www.assumption.edu/users/McClymer/his394/sacco%20and%20%20vanzetti/default.html) explica resumidamente o histórico e o resultado de este caso histórico: & # x201C no auge do Big Red Scare & # x2013 em abril de 1920 & # x2013 ocorreu em South Braintree, Massachusetts, um crime tão sem importância que nem mesmo foi mencionado no New York Times de no dia seguinte & # x2013 ou, nesse caso, de todo o ano seguinte. Era o tipo de crime que acontecia constantemente em todo o país. Um tesoureiro e seu guarda, carregando duas caixas contendo a folha de pagamento de uma fábrica de calçados, foram mortos por dois homens com pistolas, que então saltaram para dentro de um automóvel que parou no meio-fio [meio-fio] e foi embora pelos trilhos da ferrovia . Duas semanas depois, alguns radicais italianos foram presos como assassinos e, um ano depois, os italianos foram julgados pelo juiz Webster Thayer e por um júri e considerados culpados. & # X201D
Leia para a classe as três primeiras seções do artigo original relatando as execuções dos imigrantes italianos, & # x201CSacco e Vanzetti condenados à morte nesta manhã, & # x201D (encontrado online em //www.nytimes.com/learning/general /onthisday/big/0823.html#article) até & # x201CWardens Broke News to Them. & # x201D Responda a quaisquer perguntas que os alunos possam ter ou esclareça quaisquer fatos mencionados no artigo.
2. Divida os alunos em quatro grupos. Explique que eles vão estudar o contexto histórico dos julgamentos de Sacco e Vanzetti para entender melhor por que esses imigrantes inocentes foram executados. Os alunos então usarão suas descobertas para criar explicações para um desenho, canção ou poema atribuído em resposta aos julgamentos e execuções. Atribua a cada grupo uma peça artística relacionada ao evento, como uma das charges políticas publicadas sobre o caso (encontradas online em //teachpol.tcnj.edu/amer_pol_hist/thumbnail335.html), a música de Woody Guthrie de 1945 & # x201CTwo Men Gone & # x201D (letras encontradas on-line em //www.woodyguthrie.org/Leviews/Two_Good_Men.htm) ou Edna St. Vincent Millay & # x2019s poema & # x201CJustice Denied in Massachusetts & # x201D (encontrada on-line em //www.poemhunter .com / poem / justice-denied-in-massachusetts /).
Para orientar sua pesquisa, incentive os membros do grupo a responder às seguintes perguntas usando todos os recursos disponíveis (escritos no quadro antes da aula para facilitar o acesso do aluno):
-Quem são Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti?
-Por que eles foram alvos de um crime que disseram não ter cometido?
-Que prova de sua inocência foi oferecida?
-Qual era o clima político durante o período do julgamento? Como esse contexto histórico afetou seu destino?
-Por que é importante examinar este caso hoje?
Depois de concluída a pesquisa histórica, cada grupo examina o desenho, a canção ou o poema político atribuído no contexto do que foi aprendido. As questões a serem consideradas incluem:
-Quando seu artigo foi publicado originalmente?
-Por que o autor criou esta obra?
-Qual é o tema deste trabalho? Dê exemplos para apoiar esta ideia.
-Que elementos compõem seu desenho animado, música ou poema?
-Como esses elementos se relacionam com os julgamentos e execuções de Sacco e Vanzetti?
-Que referências históricas estão incluídas em seu desenho, canção ou poema?
-O que o artista está tentando transmitir nesta peça? Como esse desenho, canção ou poema pode fazer o leitor se sentir?
& # x2013 Como as ideias por trás de sua peça designada podem se aplicar aos eventos atuais?
-Que alterações você faria no desenho, na música ou no poema para aplicá-lo mais diretamente aos eventos atuais? Porque?

Depois de concluída a pesquisa, os grupos apresentam suas respectivas peças e coletam os dados para a turma. Como você acha que esses materiais artísticos foram recebidos quando foram originalmente publicados? Como o contexto histórico em que apareceram afeta a maneira como foram recebidos? Como você acha que cada uma dessas obras seria recebida hoje? Porque?
3. WRAP-UP / HOMEWORK: Individualmente, os alunos lêem e analisam o artigo, & # x201CItaly & # x2019s American Baggage & # x201D (//www.nytimes.com/learning/teachers/featured_articles/20070824friday.html), com foco no seguinte perguntas (copiadas em uma apostila para facilitar o acesso do aluno):
uma. Por que o caso de Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti é um obstáculo para colocar a história & # x201Caway & # x201D?
b. Por que eles foram inicialmente presos?
c. Que prova foi fornecida para mostrar que eles eram inocentes?
d. Como foi a prisão e execução deste par recebida na Itália durante a década de 1920 & # x2019?
e. Você acha que esse cenário pode ocorrer hoje? Por que ou por que não?
f. De acordo com colaboradores de um site italiano na Internet, como e por que o caso de Sacco e Vanzetti ainda é relevante hoje?
g. Quais eventos atuais inflamaram sentimentos de ódio, medo ou preconceito em relação aos imigrantes ou grupos minoritários?
h. Que ações você acha que poderiam ajudar a eliminar esses sentimentos negativos em relação aos imigrantes ou grupos minoritários?
Em uma aula futura, conduza um debate em classe sobre as consequências da intolerância, do medo e do ódio na sociedade americana moderna.

Outras perguntas para discussão:
-Qual a sua opinião sobre a pena de morte? Por que você se sente assim?
-Que desafios as famílias de imigrantes enfrentam hoje na América? Como esses problemas se comparam aos da década de 1920 e # x2019?
-Por que razões pode um político dar um perdão post-mortem?
-Qual o papel do preconceito ou da xenofobia no seu dia a dia?

Avaliação / Avaliação:
Os alunos serão avaliados com base na conclusão cuidadosa de entradas de diário, participação em aulas e discussões em grupo, conclusão completa de pesquisas e análises, apresentações claras e respostas bem fundamentadas às perguntas.

Vocabulário:
comprimido, época, impede, genocídios, subsequente, peixeiro, repressão, Fascismo, anarquistas, proeminência, indulgente, indigente

Atividades de extensão:
1. Pesquise uma lista de perdões políticos dados durante a última década. Qual perdão parece o mais controverso? Porque? Prepare um relatório oral explicando quem foi perdoado e por quem, por que essa pessoa foi perdoada e que controvérsia surgiu sobre essa decisão.
2. Pesquise o assassinato de John ou Robert Kennedy para descobrir por que eles são mencionados no artigo, & # x201CItaly & # x2019s American Baggage. & # X201D Escreva um breve relatório histórico que inclua uma análise de semelhanças relevantes.
3. Desenvolva uma canção ou poema original sobre a injustiça provocada pela xenofobia, intolerância, medo e ódio.
4. Pesquise The Innocence Project (//www.innocenceproject.org/ e escreva um artigo para o jornal da escola traçando o perfil da organização e como ela funciona para evitar que pessoas inocentes sejam executadas.
5. Pesquise um caso a respeito de alguém atualmente na prisão que pode não ser culpado. Desenhe um cartoon político criando consciência sobre este caso, semelhante em estilo àqueles sobre Sacco e Vanzetti.

Conexões interdisciplinares:
Cívica- Pesquise a história da pena de morte em seu estado de origem ou em um estado próximo e escreva um relatório. Inclua detalhes sobre a história das leis de pena de morte, bem como as mudanças que foram feitas nessas leis ao longo do tempo. Que métodos foram usados ​​para executar pessoas? Que problemas podem ter impactado as mudanças nessas leis? Quantas pessoas foram executadas sob essas leis? Se houver processos de homicídio culposo, explique os mais interessantes.
História Global - Andrea Camilleri, autor de & # x201CItaly & # x2019s American Baggage & # x201D descreve o século XX como & # x201Co século comprimido. & # X201D Em uma linha do tempo, ilustre por que essa afirmação é verdadeira.
Teaching with The Times & # x2013 Leia as seções de The Arts do The Times para encontrar um artigo ou resenha sobre uma performance, filme ou programa de televisão baseado em um evento histórico. Pesquise outras performances, filmes ou programas de televisão relacionados a este evento e reúna suas descobertas em um panfleto. Para solicitar o The New York Times para sua sala de aula, clique aqui.

Outras informações na web:
The Innocence Project (//www.innocenceproject.org/ fornece recursos e notícias sobre o uso de DNA para libertar pessoas condenadas injustamente.
NPR (//www.npr.org/templates/story/story.php?storyId=13890458) fornece uma visão sobre por que os julgamentos de Sacco e Vanzetti ainda são importantes hoje, ao apresentar um novo livro e filme sobre os julgamentos e execuções.

Padrões de conteúdo acadêmico:
Do 6º ao 8º ano
Civics Standard 9- Compreende a importância dos americanos compartilharem e apoiarem certos valores, crenças e princípios da democracia constitucional americana. Benchmarks: Compreender como certos valores são fundamentais para a vida pública americana.
Language Arts Standard 1- Demonstra competência nas habilidades e estratégias gerais do processo de escrita. Benchmarks: Usa uma variedade de estratégias de pré-escrita Usa uma variedade de estratégias para rascunhar e revisar o trabalho escrito Usa estilo e estrutura apropriados para públicos e propósitos específicos Escreve relatos narrativos Escreve em resposta à literatura
Language Arts Standard 4- Reúne e usa informações para fins de pesquisa. Referência: usa uma variedade de materiais de recursos para reunir informações para tópicos de pesquisa
Language Arts Standard 7 & # x2013 Demonstra competência nas habilidades e estratégias gerais para a leitura de uma variedade de textos informativos. Benchmarks: Identifica técnicas usadas para transmitir pontos de vista Tira conclusões e faz inferências com base em informações explícitas e implícitas em textos. Diferencia entre fato e opinião em textos informativos
Language Arts Standard 8 & # x2013 Demonstra competência em falar e ouvir como ferramentas de aprendizagem. Benchmarks: Desempenha uma variedade de funções em discussões de grupo Faz perguntas para buscar a elaboração e o esclarecimento de ideias Escuta a fim de entender o tópico, propósito e perspectiva de um palestrante & # x2019s Transmite um ponto principal claro ao falar com outras pessoas e permanece no tópico que está sendo discutido
Padrão de História dos Estados Unidos 22- Compreende como os Estados Unidos mudaram entre os anos pós-Primeira Guerra Mundial e as vésperas da Grande Depressão. Referência: compreende os vários conflitos sociais que ocorreram no início dos anos 1920 (por exemplo, reações dos governos estadual e federal ao crescimento de movimentos políticos radicais, aumento das tensões raciais e o ressurgimento da Ku Klux Klan, o Movimento Garvey, o choque entre os tradicionais valores morais e mudanças de ideias, conforme exemplificado no julgamento e proibição de Scopes, como a restrição da imigração europeia afetou a imigração mexicana-americana)
Padrão de História dos Estados Unidos 31 - Compreende os desenvolvimentos econômicos, sociais e culturais nos Estados Unidos contemporâneos. Benchmarks: compreende as mudanças no local de trabalho e na economia na América contemporânea. Compreende como diferentes grupos tentaram atingir seus objetivos
Visual Arts Standard 3- Conhece uma variedade de assuntos, símbolos e ideias potenciais nas artes visuais. Benchmarks: sabe como os conceitos visuais, espaciais e temporais se integram ao conteúdo para comunicar o significado pretendido em uma obra de arte. Conhece diferentes assuntos, temas e símbolos que transmitem o significado pretendido nas obras de arte
Padrão de compreensão histórica 1- Compreende e sabe como analisar relações e padrões cronológicos. Benchmarks: sabe como construir e interpretar linhas do tempo de várias camadas. Compreende padrões de mudança e continuidade na sucessão histórica de eventos relacionados
Padrão de compreensão histórica 2 - compreende a perspectiva histórica. Benchmarks: compreende que indivíduos específicos e os valores que esses indivíduos mantinham tiveram um impacto na história. Analisa a influência que ideias e crenças específicas tiveram em um período da história. Analisa os efeitos que decisões específicas tiveram na história
Do 9º ao 12º ano
Civics Standard 9- Compreende a importância dos americanos compartilharem e apoiarem certos valores, crenças e princípios da democracia constitucional americana. Benchmarks: Compreende como as instituições do governo refletem valores e princípios fundamentais Compreende a importância dos valores e princípios fundamentais para o indivíduo e a sociedade
Padrão de compreensão histórica 1- Compreende e sabe como analisar relações e padrões cronológicos. Benchmarks: compreende a continuidade histórica e a mudança relacionada a um determinado desenvolvimento ou tema. Compreende os princípios organizadores de modelos alternativos de periodização histórica
Padrão de compreensão histórica 2 - compreende a perspectiva histórica. Benchmarks: Analisa os valores mantidos por pessoas específicas que influenciaram a história e o papel que seus valores desempenharam em influenciar a história Analisa as influências que ideias e crenças específicas tiveram em um período da história e especifica como os eventos poderiam ter sido diferentes na ausência dessas ideias e crenças Entende que as consequências das intenções humanas são influenciadas pelos meios de realizá-las
Language Arts Standard 1- Demonstra competência nas habilidades e estratégias gerais do processo de escrita. Benchmarks: Usa uma variedade de estratégias de pré-escrita Usa uma variedade de estratégias para redigir e revisar trabalhos escritos Escreve composições que são focadas para diferentes públicos Escreve composições que atendem a diferentes propósitos Escreve composições narrativas ficcionais, biográficas, autobiográficas e observacionais Escreve em resposta à literatura
Language Arts Standard 4- Reúne e usa informações para fins de pesquisa. Benchmarks: usa uma variedade de fontes de notícias para reunir informações para tópicos de pesquisa Identifica e defende questões de pesquisa e tópicos que podem ser importantes no futuro
Language Arts Standard 7- Demonstra competência nas habilidades e estratégias gerais para a leitura de uma variedade de textos informativos. Benchmarks: Determina a eficácia das técnicas usadas para transmitir pontos de vista. Oferece suporte a inferências sobre informações em textos, referindo-se a recursos de texto
Language Arts Standard 8- Demonstra competência em falar e ouvir como ferramentas de aprendizagem. Benchmarks: avalia a própria eficácia e a de outros & # x2019 em discussões em grupo e em apresentações formais. Faz perguntas como uma forma de ampliar e enriquecer as discussões em sala de aula. Ajusta a redação e a entrega da mensagem a públicos específicos e para fins específicos
Padrão de História dos Estados Unidos 22- Compreende como os Estados Unidos mudaram entre os anos pós-Primeira Guerra Mundial e as vésperas da Grande Depressão. Referência: compreende as principais questões sociais da América dos anos 1920 (por exemplo, o surgimento da & # x201CNova Mulher & # x201D e os desafios aos valores vitorianos, o propósito e os objetivos do & # x201CNew Klan & # x201D as causas e resultados da Proibição, a composição étnica dos imigrantes e os temores que essas mudanças representaram, o & # x201CRed Scare & # x201D o julgamento de Sacco e Vanzetti).
Padrão de História dos Estados Unidos 31 - Compreende os desenvolvimentos econômicos, sociais e culturais nos Estados Unidos contemporâneos. Referência: compreende como as mudanças na economia nacional e global influenciaram o local de trabalho
Visual Arts Standard 3- Conhece uma variedade de assuntos, símbolos e ideias potenciais nas artes visuais. Benchmarks: compreende como os valores visuais, espaciais, temporais e funcionais das obras de arte são moderados pela cultura e pela história

Este plano de aula pode ser usado para atender aos padrões acadêmicos listados acima. Esses padrões foram extraídos de Conhecimento de conteúdo: um compêndio de padrões e referências para educação K-12, 3ª e 4ª edições e foram fornecidos como cortesia da Pesquisa para Educação e Aprendizagem do Continente Médio em Aurora, Colorado.


O roubo

O assalto à mão armada que deu início ao caso Sacco e Vanzetti foi notável pela quantidade de dinheiro roubado, que foi de US $ 15.000 (os primeiros relatórios deram uma estimativa ainda maior), e porque dois homens armados atiraram em dois homens em plena luz do dia. Uma vítima morreu imediatamente e a outra morreu no dia seguinte. Parecia ser obra de uma gangue descarada, não um crime que se transformaria em um drama político e social prolongado.

O roubo ocorreu em 15 de abril de 1920, em uma rua de um subúrbio de Boston, South Braintree, Massachusetts. O tesoureiro de uma empresa de calçados local carregava uma caixa de dinheiro que foi dividida em envelopes de pagamento para serem distribuídos aos trabalhadores. O tesoureiro, junto com um guarda que o acompanhava, foi interceptado por dois homens que sacaram de armas.

Os ladrões atiraram no tesoureiro e no guarda, agarraram a caixa de dinheiro e rapidamente pularam em um carro em fuga dirigido por um cúmplice. O carro estaria segurando outros passageiros. Os ladrões conseguiram fugir e desaparecer. O carro de fuga foi mais tarde encontrado abandonado em um bosque próximo.


1916-1927: A execução de Sacco e Vanzetti

A história de dois anarquistas nascidos na Itália, Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti, acusados ​​de assassinato e depois executados por suas crenças.

& quotVocê viu o que eu fiz com aqueles bastardos anarquistas? & quot
- Juiz Presidente Webster Thayer

Sacco e Vanzetti (veja a foto à esquerda) eram anarquistas comprometidos que haviam atuado em muitas lutas dos trabalhadores. Em 1916, Sacco foi preso por participar de uma manifestação de solidariedade aos trabalhadores em greve em Minnesota. No mesmo ano, ele participou de uma greve em uma fábrica em Plymouth, Massachusetts. Foi aqui que conheceu Bartolomeo Vanzetti, um dos principais organizadores dessa greve. Como a maioria dos anarquistas, os dois também foram ativos em sua oposição à Primeira Guerra Mundial.

A pobreza extrema nos anos do pós-guerra significou que muitos trabalhadores estavam insatisfeitos com o status quo. As autoridades temiam que os trabalhadores pudessem seguir o exemplo da Revolução Russa e estavam fazendo tudo ao seu alcance para retratar o comunismo e o anarquismo como "não americanos" e para assustar os trabalhadores da propaganda "vermelha".

Em abril de 1920, a anarquista Andrea Salsedo foi presa e detida por 8 semanas. Na manhã de 3 de maio, ele "caiu" para a morte da janela do 14º andar de um prédio do Departamento de Justiça de Nova York. Sacco e Vanzetti, junto com outros camaradas, imediatamente convocaram uma reunião pública em Boston para protestar. Enquanto buscavam apoio para esta reunião, eles foram presos sob suspeita de "atividades radicais perigosas". Eles logo foram acusados ​​de um roubo de folha de pagamento ocorrido em abril anterior, no qual 2 seguranças foram mortos.


O caso foi a julgamento em junho de 1921 e durou sete semanas. O caso do estado contra os dois era quase inexistente. Doze dos clientes de Vanzetti (ele trabalhava como vendedor de peixe) testemunharam que ele lhes entregava peixe na hora do crime. Um funcionário do Consulado Italiano em Boston testemunhou que Sacco estava conversando com ele sobre um passaporte na época. Além disso, outra pessoa confessou o crime e disse que nem Sacco nem Vanzetti tinham algo a ver com o crime.

O juiz do caso, o juiz Webster Thayer, disse sobre Vanzetti: & quotEste homem, embora possa não ter realmente cometido o crime que lhe foi atribuído, é moralmente culpado, porque é o inimigo de nossas instituições existentes. & Quot O capataz do júri, um policial aposentado, disse em resposta a um amigo seu que arriscou a opinião de que Sacco e Vanzetti podem ser inocentes & quotMalditos. Eles deveriam ser pendurados de qualquer maneira. & Quot

Tendo condenado os dois homens à morte, o juiz gabou-se de um amigo: "Você viu o que eu fiz àqueles anarquistas desgraçados outro dia?"

Não havia dúvida sobre o fato de que Sacco e Vanzetti estavam sendo julgados por suas crenças políticas e que o veredicto quando veio foi um veredicto de classe - o estado estava entregando uma mensagem clara à classe trabalhadora dos EUA - fique bem longe do pensamento anarquista ou encare as consequencias.

Sacco e Vanzetti deveriam passar os seis anos seguintes na prisão, após apelação negada. Finalmente, em 23 de agosto de 1927, eles foram executados.

Demonstração de Sacco e Vanzetti na Union Square, NYC, década de 1920

As notícias das execuções enviaram centenas de milhares de manifestantes às ruas em todo o mundo. A embaixada dos Estados Unidos em Paris teve de ser cercada por tanques para protegê-la de uma multidão de manifestantes furiosos, um motim em Londres resultou em 40 feridos, o Consulado dos Estados Unidos em Genebra foi cercado por uma multidão de 5.000 forte, enormes multidões usando braçadeiras pretas marcharam em Boston e Nova York.

Pouco antes de ser executado, Vanzetti disse: "O último momento pertence a nós - essa agonia é o nosso triunfo!" estes homens.

Para comemorar as execuções e renovar o compromisso com os ideais pelos quais lutaram, anarquistas e ativistas trabalhistas em Nova York e em todo o mundo costumam realizar eventos comemorativos em 23 de agosto de cada ano.


23 de agosto de 1927: Bartolomeo Vanzetti e Nicola Sacco são executados

What I wish more than all in this last hour of agony is that our case and our fate may be understood in their real being and serve as a tremendous lesson to the forces of freedom, that our suffering and death will not have been in vain. — Bartolomeo Vanzetti in letter to Nicola Sacco’s son.

Nicola Sacco and Bartolomeo Vanzetti were two Italian-born immigrants, workers, and anarchists, who were tried and convicted in 1921 for the armed robbery and murder of two payroll guards. The trial took place during the height of the Red Scare, and symbolized the prejudiced views against immigrants, labor unions, and political radicals that were fueled by the Department of Justice raids — known as “the Palmer Raids” — in targeted communities. After seven years of legal appeals and international protest, the two men were executed on August 23, 1927, in Boston.

“Bartolomeo Vanzetti and Nicola Sacco” by anti-war painter and photographer Ben Shahn. Source: The Museum of Modern Art.

The case of Sacco and Vanzetti revealed, in its starkest terms, that the noble words inscribed above our courthouses, “Equal Justice Before the Law,” have always been a lie. Those two men, the fish peddler and the shoemaker, could not get justice in the American system, because justice is not meted out equally to the poor and the rich, the native-born and the foreign-born, the orthodox and the radical, the white and the person of color. And while injustice may play itself out today more subtly and in more intricate ways than it did in the crude circumstances of the Sacco and Vanzetti case, its essence remains.


1916-1927: The execution of Sacco and Vanzetti

The story of two Italian-born anarchists, Nicola Sacco and Bartolomeo Vanzetti, framed for murder and then executed for their beliefs.

"Did you see what I did to those anarchist bastards?"
- Presiding Judge Webster Thayer

Sacco and Vanzetti (see picture, left) were committed anarchists who had been active in many workers' struggles. In 1916, Sacco was arrested for taking part in a demonstration in solidarity with workers on strike in Minnesota. In the same year he took part in a strike in a factory in Plymouth, Massachusetts. It was here that he met Bartolomeo Vanzetti, who was one of the principal organisers of that strike. Like most anarchists, the two were also active in their opposition to the First World War.

Severe poverty in the post-war years meant that many workers were dissatisfied with the status quo. The authorities were terrified that workers might follow the example of the Russian Revolution, and were doing everything in their power to portray communism and anarchism as 'un-American', and to frighten workers way from 'red' propaganda.

In April 1920, anarchist Andrea Salsedo was arrested and detained for 8 weeks. On the morning of May 3rd, he 'fell' to his death from the 14th floor window of a New York Dept. of Justice building. Sacco and Vanzetti, along with other comrades, immediately called a public meeting in Boston to protest. While out building support for this meeting they were arrested on suspicion of "dangerous radical activities". They soon found themselves charged with a payroll robbery which had taken place the previous April in which 2 security guards had been killed.


The case came to trial in June 1921, and lasted for seven weeks. The state's case against the two was almost non-existent. Twelve of Vanzetti's customers (he was working as a fish seller) testified that he was delivering fish to them at the time of the crime. An official of the Italian Consulate in Boston testified that Sacco had been seeing him about a passport at the time. Furthermore, somebody else confessed to the crime and said that neither Sacco nor Vanzetti had anything to do with it.

The judge in the case, Judge Webster Thayer, said of Vanzetti: "This man, although he may not have actually committed the crime attributed to him, is nevertheless morally culpable, because he is the enemy of our existing institutions." The foreman of the jury, a retired policeman, said in response to a friend of his who ventured the opinion that Sacco and Vanzetti might be innocent "Damn them. They ought to hang anyway."

Having sentenced the two men to death, the judge boasted to a friend "Did you see what I did to those anarchist bastards the other day"

There was no doubt about the fact that Sacco and Vanzetti were on trial for their political beliefs and that the verdict when it came was a class verdict - the state was delivering a clear message to the US working class - steer well clear of anarchist thought or face the consequences.

Sacco and Vanzetti were to spend the next six years in prison as appeal after appeal was turned down. Finally, on August 23rd 1927, they were executed.

Sacco and Vanzetti demonstration in Union Square, NYC, 1920s

News of the executions sent hundreds of thousands of protestors into the streets all across the world. The US embassy in Paris had to be surrounded by tanks to protect it from an angry crowd of protestors, a riot in London resulted in 40 injuries, the US Consulate in Geneva was surrounded by a 5,000 strong crowd, huge crowds wearing black armbands marched in Boston and New York.

Shortly before he was executed, Vanzetti said, "The last moment belongs to us - that agony is our triumph!" It is in remembering the moment of their deaths, and in continuing to fight for their vision of a new, fair society that we honour these men.

To commemorate the executions and to renew the commitment to the ideals they fought for, anarchists and labour activists in New York and around the world often hold commemorative events on 23rd August each year.


Nicola Sacco - History

The controversy over the lives of Nicola Sacco is still talked about in Stoughton till this day. Nicola Sacco and Bartolomeo Vanzetti were the alleged criminals who committed a double murder of at the Slater & Morrill Shoe Company in South Braintree, Massachusetts. They were arrested based on the murder of the paymaster and his guard, and the robbery of $15,000. They were arrested May 5, 1920 on the grounds of First degree murder. A long legal battle ended with their executions August 23, 1927. In 1977 Massachusetts Governor Michael Dukakis issued a State proclamation absolving the both men.

While living in Stoughton Ferdinand Nicola Sacco worked for the 3-K Shoe Factory. He lived in a small bungalow still standing in Stoughton next to the 3-K Shoe Factory (the factory building is currentlyoffices of Re/Max Landmark Realty at 630 Park Street, Stoughton, Mass.).

Here is what Mike Kelley of 3-K Shoe Factory thought of his employee Nicola Sacco.

"A man who is in his garden at 4 o'clock in the morning, and at the factory at 7 o'clock, and in his garden again after supper and until nine and ten at night, carrying water and raising vegetables beyond his own needs which he would bring to me to give to the poor, that man is not a holdup man."

Ferdinando Nicola Sacco, was born in Italy 22 April 1891 and was executed in Charlestown, Massachusetts 23 August 1927. His ashes are located at the city of Torremaggiore in Puglia, and in also in the Boston Public Library in Copley Square.

Some Interesting Website Links relating to Nicola Sacco


Portside

April 15th marks the 100th anniversary of the crime that propelled Italian immigrant anarchists Nicola Sacco and Bartolomeo Vanzetti into the international media spotlight: the robbery and double murder at the Slater & Morrill Shoe Company Factory in South Braintree, Massachusetts. Arguably the most famous criminals tried in the 20th century, in a trial that incited a flurry of debates over the manipulation and use of insufficient evidence, questionable testimony, and ethnic bias against defense witnesses, Sacco and Vanzetti were found guilty and spent seven years in jail until their execution on August 23, 1927.

In the 1920s, Sacco and Vanzetti came to symbolize the failure of American justice, drawing massive outpouring of support, including world-wide protests and a funeral cortege where over 200,000 people lined the streets of Boston. Their story reflects tensions around class, race, and politics that still reverberate in today’s discussions about white supremacy, historical memory, immigrant rights, surveillance, workers’ rights, the Antifa movement, and the right to protest in the name of social justice.

Their story is deeply entrenched in the Italian-American psyche. Growing up in Southeastern Massachusetts not too far from the site of their arrest in Bridgewater, I heard my family talk about Sacco and Vanzetti as if they were older, distant relatives. My father and grandmother spoke of them only rarely, in hushed tones over dinner, suggesting a combination of curiosity and fear. Their story highlighted the suppression of labor radicalism and the repercussions of anti-immigration laws, ethnic prejudice, and intolerance during the tumultuous yet formative decades of the early 20 th century. Their legacy has long been shrouded in silence—one that has shaped my family’s perspective and, to a larger degree, that of Italian Americans across the U.S.

But the story of Sacco and Vanzetti does not belong to Italian Americans alone the two men have inspired radical resistance in new but familiar ways. For example, the Sacco and Vanzetti Commemoration Society (SVCS) works to end “political persecution” and the “scapegoating of immigrants.” The SVCS holds annual public lectures and discussions by scholars and activists about the significance of the case today. In 2015, I attended one of the protests they organized, a march from the Boston Common to the North End (the city’s oldest and a notably Italian neighborhood) directly past the historical marker noting the site where the Sacco and Vanzetti Defense Committee met. I was struck by the disconnect between the anarchists holding political signs reading “No to State Repression!” and “Abolish the Death Penalty” and the mildly curious tourists eating at local establishments on Hanover Street. In addition to musical performances, several speakers addressed the fight for international social justice, drawing connections between Sacco and Vanzetti’s struggle and contemporary events, including political prisoners across the world as well as the Black Lives Matter Movement. But the importance of remembering Sacco and Vanzetti seemed lost on the crowd of people walking by, perhaps because people didn’t support the gathering’s overt political message but maybe because they didn’t recognize the names of the two men whose memory inspired the march. Confronting history—even as this march took place on Boston’s Freedom Trail, the story of America’s independence—appeared to be too revolutionary an act.

They may not be adequately remembered in Boston, but their hometowns of Torremaggiore and Villafalletto host annual events on “Sacco and Vanzetti Memorial Day.” Family members and activists plan marches, community events, and even revised elementary school curricula to teach younger generations about the case and raise awareness of the persecution the two men faced as immigrants and radicals in the U.S. The Nicola Sacco and Bartolomeo Vanzetti Association, a political and cultural organization led by Sacco’s grand-niece, Fernanda Sacco, also organizes programs honoring Sacco and Vanzetti. Italy’s reclamation of Sacco and Vanzetti points to a political intervention that emphasizes the intersections among ethnicity, class, citizenship, and activism—difficult lessons learned as a result of the men’s conviction.

In the U.S., we largely ignore the history of labor radicalism and political activism. As historian Stephanie Yuhl writes in “Sculpted Radicals: The Problem of Sacco and Vanzetti in Boston’s Public Memory,” only a few commemorative markers of this story exist in the U.S. today. Public history seems to forget, she writes, that “Their actions, both violent and nonviolent, addressed very real historical grievances that are an essential part of the complex national narrative that we strive to represent.” The efforts of men and women across the U.S. who organized strikes and labor protests during the early 20th century labor movement—anarchists, syndicalists, and activists alike—ought to be recognized more publicly. So, too, should those walking off the job today, from striking teachers and nurses to the Amazon and Instacart workers who recently protested the lack of appropriate safety equipment and sick leave during the COVID-19 pandemic. These activists show us that ordinary people can effect social change.

Such recognition should go beyond physical markers. We could take a cue from Italy and incorporate the study of work and labor action into K-12 education, teaching young people how essential workers are not only in a time of crisis, but every day. Incorporating a working-class studies approach in curricula early on could make ethnic and working-class history more visible. And that, in turn, might encourage us to recognize more fully how the most vulnerable members of society help all of us survive.

The story of Sacco and Vanzetti can help us to remember and understand the more radical side of the Progressive Era. Even before the Great Depression drew attention to economic inequality, they remind us, immigrant labor radicalism was pushing back against xenophobia, precarity, and the decline of unions. As the centennial of their executions looms ahead in the coming years, it is time to reconsider how we remember Sacco and Vanzetti today. They are not just labor’s martyrs. They were part of a growing international working-class movement—one that built upon solidarity and the pursuit of social justice. Honoring their memories can help inspire working-class activism now.

Michele Fazio is a Professor of English at the University of North Carolina-Pembroke and a former president of the Working-Class Studies Association. She recently won the University of North Carolina Board of Governors Award for Teaching Excellence.


The Secret Jewish History Of Sacco And Vanzetti, Executed Radicals

Just after midnight on Aug 23, 1927, 90 years ago today, the anarchists Nicola Sacco and Bartolomeo Vanzetti were sent to the electric chair in Boston’s Charlestown State Prison.

Sacco and Vanzetti, Italian immigrants who formed part of a radical anarchist milieu, had been convicted of the 1920 murders of a shoe-factory paymaster and the man who had escorted him while he transported money down the main street of South Braintree, Massachusetts.

Sacco was a shoemaker and Vanzetti a fish-peddler. Both were passionate idealists. The evidence that convicted them, largely circumstantial, is contested to this day.

At the time, the trial was regarded by many as a politically and racially motivated injustice, coming both at the height of the Red Scare and during an era in which the American government restricted Italian immigration through discriminatory quotas. The episode attracted worldwide attention and protest, becoming one of the most notorious trials of the 20th century.

The money stolen in the crime was never recovered, neither Sacco nor Vanzetti had a previous criminal record, and an ex-convict, Celestino Madeiras, confessed to the murder in 1925, absolving Sacco and Vanzetti of any involvement. Madeiras was later found guilty of a murder of a bank cashier to which he also confessed, yet his word was not accepted as sufficient reason for a new trial for Sacco and Vanzetti.

Despite seven appeals, their request for a new trial was rejected. The two were sentenced to death in April 1927.

The prosecution of Sacco and Vanzetti, while widely believed to be an instance of, in H.G. Wells’s words, wrongly executing “Reds as murders,” was informed by three decades of anarchists employing violence as a form of propaganda.

In 1892 Emma Goldman and Alexander Berkman, Jewish anarchist writers and radicals, were involved in a failed attempt to assassinate the industrialist, financier and union-buster Henry Clay Frick. Goldman and Berkman intended the assassination as “propaganda of the deed,” an action intended to foment revolution.

The concept of violence as propaganda was also embraced by Luigi Galleani, an anarchist of whom Sacco and Vanzetti were believed to be followers. Galleani and his followers, known as Galleanisti, carried out a series of bombings and assassination attempts between 1914 and 1932 against people and institutions they considered to be enemies of laborers and the poor. The violent activities of Goldman, Berkman and the Galleanisti were arguably key factors in the hostility towards anarchists and radicals whipped up by defenders of the status quo in the years before Sacco and Vanzetti’s arrest.

Felix Frankfurter, a Jewish lawyer who was then a professor at Harvard Law School and later became a Supreme Court justice, argued passionately for the men’s innocence.

Frankfurter protested what he claimed was the unjust nature of the entire case, eloquently arguing in an article in the Atlantic what many were saying – that the trial was driven by a strong bias against immigrants and political radicals. Presiding Judge Webster Thayer’s 25,000 word judgment, Frankfurter wrote, was “a farrago of misquotations, misrepresentations, suppressions, and mutilations”.

Many Jewish socialists mobilized behind the cause of justice for Sacco and Vanzetti. The Jewish Labour Party of Poland (otherwise known as the Bund) petitioned the United States government for a stay of execution for the two. Communist activists in Jerusalem held rallies for them. Dorothy Parker was arrested at a protest against the conviction of the pair, and Albert Einstein wrote a letter in their defense.

Anatole France, the French writer and Nobel prize recipient who had fought the anti-Semitic witch hunt against Alfred Dreyfus, wrote in “Appeal to the American People” that “The death of Sacco and Vanzetti will make martyrs of them and cover you with shame. You are a great people. You ought to be a just people.”

Following Sacco and Vanzetti’s arrest, the Galleanisti and anarchists in the United States and abroad retaliated. In 1921, a bomb mailed to the American ambassador in Paris wounded his valet. For the next six years, bombs exploded at other American embassies all over the world.

On August 21, 1927 two days before Sacco and Vanzetti’s execution, the Industrial Workers of the World called for a three-day nationwide walkout to protest the pending executions. 1,132 out of 1,167 miners working in the Walsenburg coal district of Colorado participated in the walkout, and 20,000 protesters amassed on the Boston Commons.

Grief and anger followed the execution. Violent protests broke out in many major cities throughout the world. On Sunday, August 28, a two-hour funeral procession bearing huge floral tributes moved through Boston. Thousands of marchers took part, and over 200,000 came out to watch.

In the following decades, the memory of Sacco and Vanzetti continued to resonate.

Jews played a key role in keeping their legend alive. As Einstein wrote, “Everything should be done to keep alive the tragic affair of Sacco and Vanzetti in the conscience of mankind. Eles nos lembram do fato de que mesmo as instituições democráticas mais perfeitamente planejadas não são melhores do que as pessoas de quem são instrumentos ”.

In the early 1930s, Jewish artist Ben Shahn produced a series of 23 paintings related to the case, notably “The Passion of Sacco and Vanzetti,” now owned by New York’s Whitney Museum of American Art. A similar 60-by-12-foot mural by Shahn, executed in marble and enamel, is installed at Syracuse University. More recently the film, “Sacco and Vanzetti,” a major 2007 documentary about them with narration by John Turturro, was produced and directed by Peter Miller, who ascribed his motivation to his Jewish heritage.

“My own grandfather came to Boston as an immigrant, and like many Jewish and Italian newcomers, was brutalized by the cops,” Miller told the Jewish Journal in 2007. “My father was born in the Boston Jewish ghetto, and my mother couldn’t go to college because of the quota system.

Even Allen Ginsberg commemorated Sacco and Vanzetti in his poem “America,” in which he included the line: “Sacco and Vanzetti must not die.”

Sacco and Vanzetti came to be regarded as philosophers and even as poets due to their eloquent writings and speeches, which the Sacco and Vanzetti Defense Committee disseminated during their trial in magazine and newspaper articles and pamphlets.

Towards the end of his life, Vanzetti wrote, “If it had not been for these things, I might have lived out my life talking at street corners to scorning men. I might have died, unmarked, unknown, a failure.”

“Now we are not a failure. Essa é nossa carreira e nosso triunfo. Never in our full life could we hope to do such work for tolerance, for justice, for man’s understanding of man as now we do by accident.”


This Day In History: Sacco and Vanzetti are Executed (1925)

This day in history two Italian-born anarchists Nicola Sacco and Bartolomeo Vanzetti are executed for murder in America. Their case caused an outcry around the world. Many believed that it was a miscarriage of justice and the men were being victimised because of their political beliefs.In 1920 a manager and a security were killed during a robbery. There were two killers and they are described as Italian men. The robbers stole approximately 15,000 dollars. Sacco and Vanzetti were arrested and charged with the crime. Although both men carried guns and made false statements upon their arrest, neither had any previous criminal record. However, they were known sympathizers of the anarchist movement. This was a radical and revolutionary movement and it believed that all forms of government are tyrannical and they should be abolished. In, 1921 Sacco and Vanzetti were convicted of the double murder and sentenced to die in the electric chair.

In 1920 a manager and a security were killed during a robbery. There were two killers and they are described as Italian men. The robbers stole approximately 15,000 dollars. Sacco and Vanzetti were arrested and charged with the crime. Although both men carried guns and made false statements upon their arrest, neither had a previous criminal record. However, they were known sympathizers of the anarchist movement. This was a radical and revolutionary movement and it held that all forms of government are tyrannical and they should be abolished. In, 1921 Sacco and Vanzetti they were convicted and sentenced to die in the electric chair Massachusetts.

Vanzatti (left) and Saccho (right)

Many people in America wee concerned about the rise of the radical left in the country and the trial of Sacco and Vanzetti was seen as an effort to intimidate the radicals. The government and law enforcements agencies were on alert for radicals who threatened violence. There has been a spate of terrorist attacks related to these radicals. The police and the prosecution had failed to come up with any evidence of the stolen money. Much of the evidence against the two anarchists was later discredited or ruled admissible. During the next few years, sporadic protests were held in Massachusetts and around the world calling for their release.

In fact, many believed that the guilty person was already in custody. An Italian immigrant Celestino Madeiros, already convicted for another murder, confessed in 1925 to the killings. He stated that he had participated in the murders with the notorious Joe Morelli gang.

The state Supreme Court refused to overturn the verdict, and the Massachusetts Governor denied the men clemency.

In the days leading up to the execution, protests were held in cities around the world. The imminent executions also provoked a wave of bombings. However on August the 23 rd , Sacco and Vanzetti were electrocuted, within a short time of each other. Their funerals became public demonstrations against what many saw as their &lsquopolitical&rsquo executions.

The case of Sacco and Vanzetti remained controversial down the years.

In 1961, forensic tests of Sacco&rsquos gun using modern forensic techniques, not available in 1920, proved it was his gun that killed the guard. This was the only piece of evidence every produced.

In 1977, Massachusetts Governor Michael Dukakis (and future presidential candidate) issued a proclamation vindicating Sacco and Vanzetti, stating that they had been treated unjustly and that they had been wrongly convicted in all probability.


Assista o vídeo: Heres to you, Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti. Artist: Joan Baez